10 de fev de 2008

CONVICÇÃO

Certeza, destino e convicção são coisas distintas. Certeza é aquela sensação que todo mundo tem até começar a fazer algo, tudo vai dar certo até o primeiro passo quando já se começa errado. Destino é aquele coitado que sempre leva a culpa sem fazer nada, quando tudo da errado e já não se tem certeza de nada é hora de botar a culpa no destino, e também se pode falar que Deus quis - isso nos casos mais graves – mas o destino sempre leva a culpa. Já a convicção é algo surpreendente, quando uma pessoa tem convicção ela tem certeza que tudo vai dar certo e o destino já está traçado e vai ser como ela quer. Aí que mora o perigo.
Josiel – nunca li esse nome nos textos do Veríssimo ou do Stanislaw, ou seja, lá de quem for – era um cara de muitas certezas, um destino e muita convicção. Desde jovem tinha um sonho não muito comum entre os seres do sexo masculino de qualquer outro planeta que não seja o nosso, ser jogador de futebol. Começou cedo e haja visto muito mal, não acertava nem a cabeça do pai no gramado de casa – nenhuma das duas por sinal – não acertava a vidraça, não derrubava quadros dentro de casa, nem estourava o dedão no paralelepípedo na hora do chute fatal. Na verdade nem acertava a bola, só tocava nela quando chutavam nele, nem sempre por engano, foi assim que teve a certeza de que seria goleiro. Começou bem, primeiro jogo, primeiro título sem tomar um gol, até quando saiu do banco de reservas para o momento mais glorioso para um goleiro, substituir o titular depois que ele cometeu um pênalti. Saiu-se muito bem, ileso do escorregão que levou quando foi saltar pra dentro do gol pra buscar a bola, nunca mais jogou nem futebol de botão. Guardou as luvas numa caixa para que elas não contagiassem mais ninguém.
Como era jovem continuou nos esportes, adorava bicicletas, praticava bicicross – o nome era feio na época – na primeira corrida a barreira não abriu e ele não saiu ileso do tombo desta vez. Voltou depois de meses e no momento mais preocupante a barreira abriu, tinha passado o pesadelo e começado outro, saiu empinando só que a roda da frente não foi ele tinha apertado mal, a porca tava um pouco espanada, mas como ele tinha certeza que dava pra continuar, foi, e, pois a culpa no destino.
Desistiu dos esportes foi ser músico, adorava música era algo fenomenal. Comprou um violão e na primeira nota a corda estourou no seu rosto e ele nunca mais trocou. Optou pela bateria era mais segura, até a primeira baquetada quando quebrou o dedo no aro da caixa. Passou a tocar sax. Os dedos obedeciam, ia bem, chegou a montar o “Josiel e sexteto incerto” mas aos poucos descobriu a asma e abandonou o sexteto que se transformou num “quinteto certo”. Guardou os instrumentos num quarto junto as suas decepções.
Resolveu trabalhar, talvez assim com mais esforço conseguisse fazer algo que lhe rendesse reconhecimento - e ele veio – mole, imprestável, lerdo, burro, trambolho, etc... Ainda assim conseguiu se manter empregado e subir de cargo se tornando até um bom profissional, não ouvia mais xingamentos, não de colegas de trabalho, só do chefe.
Decidiu se casar estava convicto que era o momento, encontrou a mulher da sua vida, como ele sempre sonhara, seria muito feliz. Comprou carro, casa, e deixou os pais orgulhosos, pela primeira vez por mais de cinco minutos, e então quando foi mudar pra nova casa, abriu aquele quarto onde se guarda tudo que não presta – pelo menos pra gente – e quando juntou tudo teve a maior convicção que ali estava um Josiel justamente como ele sempre quis ser.

Lucas Marcelino (10/02/2008)

Nenhum comentário: