16 de mar de 2008

O NEGRO E O BERIMBAU

Surra, negro, surra!...
A corda vibrante
de som delirante
do teu berimbau.

E conta à tua maneira
a nossa história,
a nossa dor, a nossa leseira,
na corda vibrante
do teu berimbau.

Surra, negro, surra!...
A corda metálica,
a corda que urra,
retesada no arco
do teu berimbau.


Aristides Theodoro


Nenhum comentário: