9 de ago de 2008

Ode ao Tempo

olhos à curva da estrada
a estrada na linha do tempo
e o tempo tão vago não diz nada
é apenas sonho ou contentamento

vejo as estrelas no céu e é negro
aqui a vida resfria como geleira
ao inverso transmuta-se e é um segredo
já as estrelas são belas pela vida inteira

seriam eternas ao tempo distante
ou qual distância teria o tempo?
a velha história já é o bastante
e gira, gira como faz o próprio vento

saber das coisas já é um mistério
o tempo passa e nada diz
pensar, saber já um critério
tal como o tempo se faz um juiz

passa, e dura uma vida inteira!


Ederson Rocha

Nenhum comentário: