2 de ago de 2008

Ventos do Sul à soprar...

Um nítido olhar na luz de um amor
Tornando necessário desabrochar
Com essência clara sem pudor
Sobre ventos do sul a soprar

Beleza pura que está na alma
Sendo fonte de plenitude
Buscando ter sobre a minha palma
A essência mais clara desta virtude

Vento frio sobre o rosto a soprar
É o vazio na alma que dói
Sobre a ausência que o peito corrói
Sendo ventos do sul a soprar

É a força que me imagina
O silêncio que devora meus pensamentos
Que também devora distantes momentos
Fontes que da alma germina...

Força que o vento leva
A lugares onde nunca estive
E a busca perfeita somente navega
Na necessidade da alma já livre

Com o olhar distante
Onde o sol não me aquece
Ao ver a ternura que já se fez bastante
Se vai quando o dia amanhece

Num dia frio de minha existência
Transcende em mim a necessidade de amar
Mas sobre passados obscuros da decadência
Ventos do Sul a soprar...

Ederson Rocha

Nenhum comentário: