11 de ago de 2009

50 ANOS DE ARISTIDES THEODORO E A INVENÇÃO DE CURIAPEBA



Exposição:


50 ANOS DE ARISTIDES THEODORO E A INVENÇÃO DE CURIAPEBA



Mostra paralela à Exposição -100 Sertões: O Universo de Euclides da Cunha – Artistas da Taba de Corumbê e convidados.


Data: de 10 até 30 de Agosto de 2009

(Abertura Oficial 12 de agosto, 19h00)


Local: Espaço Pinacoteca – Teatro Municipal de Mauá

Rua Gabriel Marques, n.º 353 - Centro – Mauá – SP (Acesso também pela Avenida João Ramalho, 456.)



Maiores informações:.

camargoeb@ig.com..br

http://tabadecorumbe.blogspot.com



50 ANOS DE ARISTIDES THEODORO E A INVENÇÃO DE CURIAPEBA



No Centenário de Euclides da Cunha, fica impossível não traçar um paralelo entre esse famoso escritor, todo calcado na realidade sertaneja brasileira, e Aristides Theodoro, que faz eco ao contar, desta vez com muito bom humor, os acontecimentos a que assiste, ou mesmo, de que faz parte, colocando o meio que o cerca em seus relatos. Porém a grande diferença entre esses dois autores é que Euclides da Cunha, assegura a força do sertanejo, sua labuta muito sofrida, escancara todo modo de vida do sertão, transformando um relato jornalístico em literatura de altíssima qualidade. Já nosso “menestrel de pé vermelho”, cria uma cidade mítica e transporta para o sertão da Bahia, todos os fatos e tipos que colhe em seu dia-a-dia tão urbano. Aristides consegue inserir em uma cidadezinha pequena e afastada, todo um enredo que só faria sentido caso passasse em uma cidade grande. E é justamente aí, que seus textos tornam-se agradáveis, com nomes muito peculiares, locais e fatos, muitas vezes estapafúrdios, mas sempre com um fundo de verdade. Suas palavras, algumas vezes ferinas, deixam Curiapeba cada vez mais viva e cada vez mais próxima a nós. Como um deus ele dá a vida e até tira a vida de suas personagens ao seu bel prazer, com um humor às vezes mordaz, às vezes irônico, outras tantas leve e despretensioso.


O Grupo Taba de Corumbê e outros artistas plásticos, resolveram homenagear todos esses anos de trabalho literário, com uma exposição que traduz a releitura dessa mítica Curiapeba, através de pinturas, colagens, esculturas, gravuras, fotografias, entre outras formas de expressão artística, resgatando um pouco do homem que vive em Curiapeba, alter-ego de Aristides Theodoro. Em seu texto há momentos que criador e criatura fundem-se, sem que consigamos separar um do outro.


Fica aqui nossa tentativa de desvendá-lo um pouco mais.

3 comentários:

MARCOS ROBERTO MOREIRA disse...

Este texto que vc escreveu é mto bom: traçando um paralelo entre os dois escritores vc destacou as peculiaridades de cada um. Uma bela homenagem tanto para Euclides quanto para Aristides.

Edson Bueno de Camargo disse...

Falha nossa, esqueci de colocar o nome de quem escreveu o texto, foi a fotografa Cecília Camargo, dando voz ao grupo é claro. Daí a primeira pessoa do plural.

Edson Bueno de Camargo disse...

“Curiapeba passa a ser a oitava cidade do Grande ABC, mesmo estando no Nordeste brasileiro - ou seria o Nordeste brasileiro anexado pelos lados do Corumbê, ou Jardim Zaíra?”

Ademir Medici – Coluna Memória – Diário do Grande ABC – 29/06/2009