4 de jun de 2010

Nem homem, nem anjo

Quando o vento falou
pelas folhas nas árvores
eu entendi claramente
que o tempo mutaria...

tempo de não ser Humano
ser além de apenas isso
renascer Doisano, Tresano
usar da alma todo viço.

Falcões dançam com o ar
cantam com a liberdade
lagartas provam que voar
é simplesmente vontade.

E tu, e eu, vamos bailar
cantar, sermos livres em nós?
Provaremos cores ao voar
saberemos desatar os nós?

Por que tudo que é gratuito
não achamos interessante?
Será que pagar o circuito
da mesmice é gratificante?

Acordes sem despertador!
Ilumine tuas células...
Acordes não sentindo dor!
Ilumine, vidas incrédulas...


Osvaldo Heinze

Nenhum comentário: