6 de jul de 2010

Espantalho do ouro

Estou de espantalho
enrustido no milho
e me embaralho
no amarelo brilho.

Minha roupa é fosca
minhas lembranças ricas
iguais farinhas de rosca
ou grãos de canjicas.

Meus olhos vão azuis
e o coração rosa
minha bandeira flui
branca, vigorosa.

Espantalho acorda!!!
Você não tem milharal.
Volta para a borda
da cidade sem sal...


Osvaldo Heinze

2 comentários:

Edson Bueno de Camargo disse...

Bela construção sonoro, poesia é som.

Osvaldo Heinze disse...

Obrigado Velho Lobo Poeta!
Abraços!