7 de fev de 2008

AMO O SILÊNCIO

Amo o silêncio

O ruído das máquinas
Fere os meus ouvidos
Tão puros
Tão singelos
Quanto cada amanhecer

Os sons das trombetas dos anjos
Espero ouvir
Ao entardecer

As suaves melodias das almas
Espero beber
Ao anoitecer

Os sons da Terra
Espero sentir
Em cada renascer…

Amo a pureza
De cada ente Nu
No despertar da Humanidade
Que suspira
O Virgem
O Fértil
O Imaculado…

Amo o desflorar
Da criação
Em todos os seus estados de Graça
Em todos os suspiros
Dos corações inspirados…

Isabel Rosete
09/12/07
02/08/07

Um comentário:

Comte Raphäel disse...

libertador
com suavidade
gostei!
;)