15 de fev de 2008

TRANSIÇÃO

A minha alma é intagível,
Naquilo que sei dela,
Faz-me querer o impossível,
Só por ser assim tão bela.

Eu sou o que não pareço,
Nela por dentro de mim,
Como o difícil recomeço,
De tudo que é sempre fim.

E se somos então os dois,
Apenas um e nada mais,
Que coisas virão depois,
Se somente serão iguais.

Marcus Di Philippi

Nenhum comentário: