13 de mar de 2008

APARÊNCIA HIPÓCRITA DO AMOR

Logrado fui pela luz
Auto-estima se reduz.
Amor, profuso doente
Me humilha, não se arrepende.

Rainha bela me traía
Com as Graias saía.
Construí, castelo deserto
Abandonado, fiquei desperto.

Lágrimas, escorre queima
Fraqueza dos membros, desnorteia.
Minhas entranhas vibra de dor
Corpo em combustão, emana calor.

Enganado, destino ofereceu
Atos desatino do camafeu.
Por trás da formosura, esconde serpente
Veneno mortífero, ardente.

Palavras de afeto infértil
Rastejando como réptil.
Aliança dourada reluzente
União antiga cadente.

Teatro, montado começa
Os personagens vestido de fera.
Os papéis cênico, da mão roubado
Atriz em vestido esplêndido, moral em fiasco.

As quatro estações me consolam
Nesta existência, me assolam,
Minha consorte, graça Eva
Do tronco deu o fruto, que coveiro cava.

Carcomido, pela traças da desgraça
Esperança da minha amada, restou fumaça.
Atitudes do cônjuge ficará ao relento
Aparência simulada, levará o vento

Jesualdo

Nenhum comentário: