4 de mar de 2008

APRENDIZADO

A lágrima é como um martelo
Golpeando uma bigorna,
Diz tudo que não revelo,
Extrai de mim o mais belo,
O que não sou ela me torna.

É um fio de água atrevido
Escapado de seu leito.
Adorna o rosto comovido,
Entalha o embrutecido,
Moldando-o a seu jeito

E, como um ferro surrado
E desfigurado por ela,
Apenas quem tem chorado
Quem teve o rosto molhado
É grato a quem o martela.

Marcus Di Philippi

Nenhum comentário: