21 de mai de 2008

PROMESSA

Mãe que me amou tanto
A vida tirou-te de mim
Poucas vezes te vi agora
Perdi-te.

Eu! Pouco senti seus abraços em vida
pois o mundo ingratamente nos separou.
Fui levada por um grande amor, que me
prendeu, tirou meus sonhos, podou minha asas.

Muitas vezes triste fiquei, por ser tão covarde.
De não voar ate seus abraços, mãezinha
quantas tristezas senti em seu olhar
Em saber, que sua menina já não podia voar.

Muitas vezes eu fiquei a ouvir, minha mãe a dizer
vai filha cria coragem, ê voa alto como uma águia
Você e forte, minha menina mudou, para ela o;
tempo parou.

O tempo passou minha mãe voou.
fazendo uma linda viagem, sem volta.
Naquele dia, criei coragem e voei para ti ver.
Para te abraçar, nosso ultimo encontro.

Oh! Mãe tarde de mais, não pode me ver.
Quando perto de seu corpo inerte cheguei
lá eu não a encontrei, entre lágrimas prometi
nunca mais deixar de voar, e por ti que irei vencer.



Eliza Gregio

Nenhum comentário: