14 de mai de 2008

VERSO ESTANCADO

Que Poesia, pra ti, eu engendro
Que não seja uma burlesca mentira
E não compreenda o que tu és?

Que Poema eu posso arquitetar
Que não seja uma vergonha hilária
E, a ti, dedicar ou fazer presente?

Que Ode será triunfal na sua bela
Forma de não conter-se por motivo algum
Quando está querendo viver?

Que Epopéia fará jus a sua forma
Que não seja cômica, medíocre e vil
Perante tudo que tens pra dar?

Este poeta morreu com as palavras
Quando decidiu te amar com o verbo em carne.

Este poeta não é mais poeta pra você
Agora é apenas vontade, desejo e frustração
Na agonia constante de te querer e querer,
Mas saber eu nesta agonia não há constante.

Morra hoje comigo como nunca morrerá aqui
E amanhã, mais uma estrela brilhará no céu.

Esqueça tudo que eu disse ou escrevi
Vamos começar de novo a escrever o destino
Que nos impulsiona, sem medo, a agir.

Chris Clown Oliveira

Nenhum comentário: