16 de jun de 2008

O AMOR

Ando meio sem jeito
e guardo no peito
um despeito
que machuca
e macula minha alma.

Qual é a graça de viver assim?

Meu pensamento é seu
e inspira as pinturas poéticas
das coisas mais íntimas
as mais hipotéticas.

O amor é um jogo de azar
que nos retira o que há de mais nobre
e nos coloca na sarjeta
pedindo clemência
na incerteza do resultado.

E o objeto amado
é sempre cultuado
como um Deus ou santo
que nos enche de encanto
nos entregando de corpo e alma
aguardando que algumas palavras
vá fazer milagres em nossas vidas.



Rafael de Paula.

Um comentário:

Aristides Theodoro disse...

Olá, venho convidar para ler o primeiro capítulo de minha novela Susy e Malô numa receita de amor eterno...