18 de jun de 2008

FERA

Este vento que me tocou
Eu quase sem sentir, em forma de caricia
A sorrir para mim.

Tão suave, como uma flor
Eu sinto seu perfume no ar
Este abraço puro de uma criança
veio a me cativar.

Que em meu coração tocou
Eu este ser calmo, de menina
Que se transformei em um
animal faminto.

Fera faminta , vida que para
mim, a vejo como comida
Ficou a saciar minha fome, fome animal
sabor nunca sentido, este alimento ferido.



Eliza Gregio

Nenhum comentário: