18 de mai de 2009

vísceras sentimentais




Edson Bueno de Camargo


mulher que amo com as tripas
que teu amor me alimente
que se avolume no ventre
que se ruminem as renúncias
digira todas as dúvidas
e o amor seja longo e contínuo

mulher que amo com os pulmões
que se inflem em fogo a cada respirar
queimando cada gota de oxigênio
em tua homenagem
e este amor me deixe sem fôlego
e a cada beijo carbono
não me sufoques nunca

mulher que amo com o coração
que todo meu sangue não seja suficiente
que se esculpa com carne e gelo estrutura
das todas que se constroem em vermelho vivo
que seja corda incontrolável
de relógios que devoram o tempo
e ainda assim permanecer o amor

mulher que amo com músculos e tendões
que minha carne te vista no frio
e se não suficiente uses minha pele
cubra a tua nudez toda noite
que seja tão quente cobertor
que não mais sintas frio nunca
para que não te esqueças no claro
este amor

mulher que amo com o fígado
e sorvas bílis como prova de amor
amor cultivado em humores com ódio
até que os olhos se esverdeiem de vez
mas que adestres esta toda cólera que trago
porque a fêmea é a domadora do macho
e é teu ventre geratriz do universo

mulher que amo com o baço
e converta esta douçura em açúcares
que bebes com lábios ávidos
onde toda a dor não é amarga
e convertas todo fel que há bebido antes

mulher que amo com os rins
e produzo jóia elástica
pedras de calcita e sal
para construir castelos de sonhos
e dedico a ti todas as cólicas
e a tortura nauseante
de estar dependurado em parede

mulher que amo com a gônadas
e por ti imito Urano se necessário
e sem estas ainda sou teu escravo
mas se me preservas
serei de teus desejos criado

e contudo que sou um homem
de vísceras sentimentais
pois te amo com o corpo todo
além do sublime desejo

Nenhum comentário: