7 de fev de 2008

INDEFINIÇÃO

Eu Tenho medo de não ter medo
De tudo que é medo em mim,
Como as sombras do arvoredo
Que esconde flores no jardim.

Como o subterrâneo ignorado
Tão profundo e sem saber,
Da flor que eu tinha plantado
E que a sombra não deixa ver.

E este medo me assombra
Na noite esquecida e calma,
Como o arvoredo sem sombra
Dos jardins da minha alma.

Marcus Di Philippi

Nenhum comentário: