14 de mai de 2008

OH! MAJESTOSA

Óh! Encanto majestoso da candura,
Resplandece meu espanto tão sofrido,
Alimenta-me a alma de ternura
Rejuvenesce o que em mim é aturdido.

Um balburdio já não espanta o silêncio
Nem as sombras dos sorrisos fogem
Para a luz, que se torna um incêndio,
Da alegria que no seu corpo dormem.

Tua presença é um manto de princesa,
Onde as luzes da ribalta pra ti brilham...
São só versos do poeta que te rimam

Quando fazes molecagens da realeza.
É nobre tua alma da astral beleza,
É pobre estes olhos que te fitam.

Chris Clown Oliveira

Nenhum comentário: