16 de jul de 2009

O AÇOUGUEIRO DA RUA XV

.
Não me importa que me tomem,
Por um sujeito tão vulgar,
Igual ao pasto que os bois comem,
Toda vez que vão pastar.
.
O que me importa é sim conter,
Este lugar que ninguem foi...
Ser mesmo pasto e então crescer,
Numa metade deste boi.
.
E que assim me fique o inaudito,
D'alguma pobre e velha rês,
Com as diferenças que acredito,
Mas tão igual a mim, talvez.
.
O.T.Velho

Nenhum comentário: