13 de set de 2009

palma



Edson Bueno de Camargo

derramar
da palma da mão direita
toda a escuridão líquida
que se acumula

aprofundar
no vaticínio do sonho
medo do absurdo
de que ainda respiro
o mesmo ar a procura de guelras
que não estão

o ouvido queima a cada acorde
do dissonante som
do universo que nasce ainda

a ausência da luz devora mundos e estrelas
grito mudo da destruição
rompe o espaço
como uma luz que não existe mais

nas asas da borboleta
ao ruflar agora
todos os códigos decifrados da teoria do caos
pois tudo é conseqüência
de um único gesto

Nenhum comentário: